quinta-feira, 12 de abril de 2012

Intelectual da favela.

Eu nunca acreditei que existia uma blogosfera izabelense, no sentido de uma unidade, de realização de ações planejadas, de uma metodologia de ação ou ideologia reinante. Porém, uma coisa que percebi é que podemos dividir os blogueiros em pelos menos dois grupos: os do centro da cidade e os da periferia.
Os do centro são os que privilegiam o gestor municipal em suas postagens. Que sempre defendem, exaltam, bajulam. É aquele tipo de blogueiro que incomoda-se com a oposição e que muda de ideologia e partido como muda de camisa.

No outro lado estamos nós, intelectuais da favela e temos uma coisa a dizer pra vocês: Tanto uma coisa pra quem quer fazer revolução, quanto uma coisa pra quem quer continuar praticando as opressões brancas, masculinas, hetero, sãs, sóbrias, falantes, ouvintes, videntes, andantes, motoristas, motoqueiras, capistas, elitistas, catolico-calvinistas e burguesas que são possíveis a alguém que se diga intelectual de esquerda. Aos primeiros: venham conosco! Aos segundos: tenham medo de nós, pois demoliremos seus planos! Ou venham conosco!

Eu sou um intelectual da favela.


Sou um perigo sem precedente, porque não tenho rabo preso, e sou inteligente e erudito pra caralho!  Tatuado, grande forte e pensante. Raciocínio veloz e venenoso.
Passeio pelos mundos existentes nesta cidade. Tem gente que não suporta ver um favelado de carrão, com nível superior (a caminho da 3ª graduação), uma pós-graduação e um MBA.
Não como às custas da exploração, sou filho legitimo da classe trabalhadora.

Vocês, blogueiros classe média, são incapazes disso, porque não romperam com os benefícios elitistas,  por isso nunca terão a competência nem serão capazes de fazer a ciência crítica que faço!

Meu materialismo é muito mais histórico-dialético, já nasci mais apto a compreender a concretude da relação capital-trabalho do que vocês, porque nasci no seio da desigualdade!

Ou vocês lêem os textos que estamos escrevendo nas favelas (de madrugada, conciliando estudos, doideiras e turnos de trabalho), ou nunca serão capazes de fazer filosofia, ciência ou teoria de verdade!

2 comentários:

  1. Bravíssimo blogueiro da favela!!! Recuando ao banco do ensino médio, lá no CH... lembrei do rapaz que sentava no fundão com o Alex Lessa... tão autêntico como o vejo hoje... tão combatente como o atual... apenas a diferença de hoje ser mais lapidado e amadurecido. Abraço da amiga e companheira de profissão Elizabeth Braga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caramba Amiga Elizabeth Braga, Fiquei feliz duplamente, por ter voce como leitora desse blog e por seus comentários sempre coerentes e precisos.
      Lembrei de nossos tempos de sala de aula no CEAL. O Alex Lessa também é um amigo especial até hoje, apesar da distancia.
      Tento manter esta mesma coerência e posicionamento.

      Sucesso Sempre.

      Excluir