segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

De Empresário a Político: Transição difícil - Parte I



Historicamente Santa Izabel do Pará teve, pelo menos nestas ultimas décadas, dois empresários que se tornaram políticos e chegaram ao executivo. Simão e Abreu.

É uma transição difícil pois os empresários não conseguem chegar ao executivo na imensa maioria das vezes.

O que os afasta?

Primeiro podemos analisar que o jogo empresarial exige habilidades especificas que nem sempre são direcionadas para o meio político.

A administração empresarial é fortemente orientada pelo patrimonialismo do empresário. O que ele visa é expandir seus negócios, aumentar seus lucros, seus...seus...seus. Isso faz com que a relação com fornecedores, sócios e principalmente com seus funcionários seja direcionada neste sentido.

Já o administrador publico visa o lucro social, visa a coletividade, seus projetos precisam ouvir e atender diversos interesses e precisa saber falar a linguagem plural para conseguir aprovar seus projetos.

O empresário pode até saber conseguir mercado consumidor com posicionamento agressivo no mercado publicitário. Porém para conseguir votos é preciso ir além, conquistar a confiança.

E quando o dever de casa, digo da empresa, não é feito o problema aumenta. Quando a maioria dos funcionários não aprova o patrão, usa a eleição para lhe mandar um recado: no silêncio das urnas é feito o deposito, contra muitas vezes a exploração da mão de obra, os baixos salários, os assédios.

Outro fator a ser analisado é que nem sempre o bom empresário é um bom gestor público. São formações e habilidades diferenciadas.

Já tivemos casos onde o empresário quebrou a prefeitura por sua ação e quebrou sua empresa por omissão.

O eleitor visto como mercado consumidor pelo empresário também tem seus caprichos e sabe fazer contas e questionamentos:

a) Por que um empresario que fatura milhões mês aceitaria ganhar em 04 anos de mandato o que sua empresa lucra em um dia?

b) Por que deixar de ser comandante, patrão e passar a ser empregado do povo?

c) Qual o interesse não revelado em ser a maior autoridade do município?

Perguntas de quem lê.

* Texto inspirado em um artigo do jornal A opção.

Luiz Santos é Pós-graduado em Gestão Pública pela UFPA.
Gosta de política.
Gosta de perguntar...pois perguntar não ofende e quem tem coragem responde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário