quinta-feira, 26 de março de 2015

Ministro ...que cai.


Traumann sorri e será que  Dilma chora?

A presidente Dilma Rousseff aceitou hoje (25.03) o pedido de demissão do ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Thomas Traumann, que era o porta-voz da Presidência da República.
Traumann, que estava de férias e retornou ontem a Brasília, se envolveu no episódio da divulgação de um documento sobre a montagem de redes sociais pagas para divulgar as ações de Dilma e também combater a Oposição ao Governo do PT.
Elaborado pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República, comandada por Thomas Traumann, o documento admite que o Governo tem adotado uma comunicação “errática” desde a reeleição da presidente Dilma Rousseff, afirmando que seus apoiadores estão levando uma “goleada” da oposição nas redes sociais.
Apontou como saída para reverter o caos político e o quadro pós-manifestações o investimento maciço em publicidade oficial em São Paulo, cidade administrada pelo petista Fernando Haddad, onde se concentra, atualmente, a maior rejeição ao PT, revelando também erros de estratégia, além da situação de isolamento da presidente Dilma Rousseff, principalmente, após os protestos do dia 15 de março.
O Líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Carlos Sampaio, protocolou junto a Procuradoria da República do Distrito Federal com representação contra Traumann, argumentando ter sido a produção do documento realizado pela Secretaria de Comunicação, configurando o uso da Secom-PR para a promoção pessoal de Dilma, a fim de viabilizá-la eleitoralmente.
Ao fazer um diagnóstico da crise, Traumann diz que o Planalto e o PT estão perdendo por WO para a oposição em conteúdo nas redes sociais e atacou também o ministro da Fazenda, Joaquim Levy.
“Se fosse uma partida de futebol, estamos entrando em campo perdendo de 8 a 2. De um lado, Dilma e Lula são acusados pela corrupção na Petrobras e por todos os males que afetam o país. Do outro, a militância se sente acuada pelas acusações e desmotivada por não compreender o ajuste na economia. Não é uma goleada. É uma derrota por WO”, diz trecho do documento, de 8 páginas.
O ex-ministro Traumann foi convocado para prestar esclarecimentos sobre o rumoroso assunto na Câmara dos Deputados.

Bandeira Vermelha.





A conta chegou e a pessoa tem que pagar, a família tem que assumir e dançar...conforme a música, tocada pela orquestra desafinada das minas e energia! Que fogueira queima a autoestima dos cidadãos!?

Quem assume os erros? Ninguém! 

Mas quem paga sabemos!

quarta-feira, 25 de março de 2015

O PT e a Educação.


O segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, cujo lema é “Pátria Educadora”, começa com um corte de quase R$ 600 milhões nos seus gastos discricionários (não obrigatórios) com Educação. A pasta teve o maior contingenciamento das chamadas despesas de custeio nos 39 ministérios do governo petista, conforme o decreto publicado Diário Oficial da União e assinado pela chefe do Executivo e pelo seu novo titular do Planejamento, Nelson Barbosa.

Educação é a pasta mais afetada pelo corte de verba determinado por Dilma. Por decreto presidencial, governo determina redução de $ 1,9 bilhão por mês nas despesas. Só na pasta que Dilma elegeu como prioritária, contenção mensal será de R$ 500 milhões

Resultado de imagem para mais educação

Neste corte desordenado o programa Mais Educação que oferecia aos jovens uma nova opção de aprendizado com atividades musicais, esportivas e de cidadania fora do horário normal de aula foi retirado das prioridades.
Na prática isso significa que milhões de jovens ficaram com o tempo livre e a cabeça ociosa.
O governo demonstra uma completa falta de interesse pelo futuro do nosso país quando retira esta oportunidade dos jovens de progresso pessoal e profissional.

Este é o governo do PT.

100 dias, 100 Nada.

O prefeito de Santa Izabel do Pará, Evandro Watanabe (DEM), completou recentemente cem dias à frente da administração municipal.  ...