Postagens

Mostrando postagens de Março, 2015

Ministro ...que cai.

Imagem
Traumann sorri e será que  Dilma chora?
A presidente Dilma Rousseff aceitou hoje (25.03) o pedido de demissão do ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Thomas Traumann, que era o porta-voz da Presidência da República. Traumann, que estava de férias e retornou ontem a Brasília, se envolveu no episódio da divulgação de um documento sobre a montagem de redes sociais pagas para divulgar as ações de Dilma e também combater a Oposição ao Governo do PT. Elaborado pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República, comandada por Thomas Traumann, o documento admite que o Governo tem adotado uma comunicação “errática” desde a reeleição da presidente Dilma Rousseff, afirmando que seus apoiadores estão levando uma “goleada” da oposição nas redes sociais. Apontou como saída para reverter o caos político e o quadro pós-manifestações o investimento maciço em publicidade oficial em São Paulo, cidade administrada pelo petista Fernando Haddad, onde se concentra, atualmente, a maio…

Bandeira Vermelha.

Imagem
A conta chegou e a pessoa tem que pagar, a família tem que assumir e dançar...conforme a música, tocada pela orquestra desafinada das minas e energia! Que fogueira queima a autoestima dos cidadãos!?
Quem assume os erros? Ninguém! 
Mas quem paga sabemos!

O PT e a Educação.

Imagem
O segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, cujo lema é “Pátria Educadora”, começa com um corte de quase R$ 600 milhões nos seus gastos discricionários (não obrigatórios) com Educação. A pasta teve o maior contingenciamento das chamadas despesas de custeio nos 39 ministérios do governo petista, conforme o decreto publicado Diário Oficial da União e assinado pela chefe do Executivo e pelo seu novo titular do Planejamento, Nelson Barbosa.
Educação é a pasta mais afetada pelo corte de verba determinado por Dilma. Por decreto presidencial, governo determina redução de $ 1,9 bilhão por mês nas despesas. Só na pasta que Dilma elegeu como prioritária, contenção mensal será de R$ 500 milhões