quarta-feira, 25 de abril de 2012

Vidas secas, até quando?


Em meio aos efeitos de uma seca que castiga 595 municípios no Nordeste, e atinge 2,5 milhões de pessoas é divulgado um relatório sobre o orçamento e a atuação governamental, que identifica um desvio de R$ 312 milhões em verbas contra os efeitos da seca.

Pelo relatório da presidente, só em 2011, 30% das verbas do Dnocs foram desviadas, em "graves irregularidades", diz o documento. Elas não são especificadas, no relatório.
A maior obra do Nordeste de combate à seca é a transposição do rio São Francisco - que custa R$ 8,2 bilhões e se arrasta há cinco anos. Em Alagoas, a maior obra é uma mini-transposição do São Francisco: o canal do Sertão já gastou R$ 540 milhões. A obra vem desde 1992 e enfrentou ações judiciais, entre elas, por superfaturamento. Na semana passada, o Ministério da Integração Nacional garantiu dois trechos, mas não há data para conclusão do Canal.

E enquanto isso o povo está morrendo de sede no nordeste esquecido, no sertão sem presidente, nas casas de pessoas sem sobrenomes.

Entao, a frase de Euclides da Cunha me vêem a cabeça " O nordestino é acima de tudo um forte".

Um comentário:

100 dias, 100 Nada.

O prefeito de Santa Izabel do Pará, Evandro Watanabe (DEM), completou recentemente cem dias à frente da administração municipal.  ...